Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

CANTINHO DO LANCHE

INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

TV diário do Sertão Ao Vivo

HELIOMAR CD'S

CANAL DE PADRE FÁBIO NO YOUTUBE

QR Code - Aponte a câmera do celular para o código

Rafael Jacinto no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

Pauliano Tomaz

Visualizações

contador de acesso
Cantor Louro Santos morre em decorrência da Covid-19

Cantor Louro Santos morre em decorrência da Covid-19

O cantor de forró e compositor pernambucano Louro Santos, de 49...

Acidente deixa um morto entre Tabira e Solidão

Acidente deixa um morto entre Tabira e Solidão

Um acidente na tarde deste domingo (22) causou um óbito na rodovia PE-309, que liga...

Mais 192 casos e quatro óbitos por Covid-19 são confirmados na Paraíba

Mais 192 casos e quatro óbitos por Covid-19 são confirmados na Paraíba

Na Paraíba foram confirmados mais 192 casos da Covid-19 e quatro óbitos desde a última...

Nenhuma descrição disponível.

Por G1 PB

Aos 9 anos de idade, Raíssa Andrade vive em situação econômica vulnerável em uma casa de papelão, localizada em uma ocupação irregular na cidade de Campina Grande. Apaixonada pelo balé e atendida gratuitamente no projeto Balé Cidade de Campina Grande, a menina despertou atenção de pessoas que querem ajudar a família dela a dar uma melhor oportunidade à bailarina. A criança ganhou uma bolsa para ter aulas de dança em uma escola privada e terá uma nova casa.

Raíssa mora com o irmão Rian Andrade, de 12 anos, e a mãe Ivoneide Andrade, de 46 anos, que é catadora de material reciclável. Eles moram na segunda ocupação da favela do Papelão, em Campina Grande, ao lado do ginásio O Meninão. A área foi novamente ocupada após moradores terem sido realocados pela prefeitura para a construção de um hospital no local.

A simplicidade e simpatia da menina ganharam o coração e admiração de policiais que estavam entregando cestas básicas na localidade onde a família mora. O sargento Rômulo Gouveia, do 2º Batalhão da Polícia Militar da Paraíba, disse que Raíssa recebeu a doação da cesta básica com muita educação e delicadeza, e que ao mesmo tempo em que ele achou a atitude bonita, a condição de moradia onde a família morava chamou a atenção dele.

“Era um barraco pequeno em condições muito precárias e bem na porta predominava a lama no chão. No mesmo dia, fiz uma postagem do barraco refletindo sobre a condição de moradia. Algumas pessoas se sensibilizaram e se ofereceram para ajudar na construção”, disse. Leis mais no G1 PB