Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

Logotipo Do Google, Logo, Google Imagens png transparente grátis
 
bove=""

 

Rádio Princesa FM 92.5

Cantinho do Lanche - Pov. Jurema

Inscreva-se em nosso canal no YouTube

TV Diário do Sertão

Heliomar CD's

Canal de Padre Fábio de Abreu, no YouTube

QR Code - Aponte a câmera do celular para o código

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

Visualizações

free counter
Prefeitura de Tavares transfere para 1 de novembro feriado do Dia do Servidor Público

Prefeitura de Tavares transfere para 1 de novembro feriado do Dia do Servidor Público

O prefeito Genildo José da Silva (Coco de Odálio), por meio do Decreto Municipal n°...

Fiocruz: IFA nacional passará por 14 testes nos Estados Unidos

Fiocruz: IFA nacional passará por 14 testes nos Estados Unidos

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) enviou para os Estados Unidos dois lotes de...

Parceria: Curso de Gastronomia e Condutor de Turismo é concluído em Princesa Isabel

Parceria: Curso de Gastronomia e Condutor de Turismo é concluído em Princesa Isabel

Resultado de uma parceria entre o SEBRAE, CDL – Princesa Isabel, Prefeitura de...

O juiz Manoel Gonçalves Dantas de Abrantes, titular da 1ª Vara Regional Criminal de Mangabeira, decretou a prisão preventiva de um policial militar acusado de estuprar a própria filha.

O magistrado atendeu pedido feito pela Promotora de Justiça Sandra Regina Laura Paulo Neto, que alegou na denúncia que havia comprovação do abuso sexual contra a filha desde quando ela tinha 11 anos de idade, tendo o réu praticado recentemente novo abuso sexual, o que ocasionou a instauração de outro inquérito policial, numa demonstração de que a liberdade dele incentivaria a reiteração criminosa.

Na sua decisão, o juiz considerou a existência de prova da materialidade do crime e indícios suficientes da autoria, bem como a presença dos requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal, em face da reiteração da prática do ato sexual do réu contra a filha durante vários anos, o que ainda perdurava, devendo ser garantida a ordem pública e resguardada a integridade física e moral da vítima.

Por ser policial militar, o acusado deverá ser recolhido a uma cela do 1º Batalhão da Polícia Militar, onde deverá responder na prisão ao processo até ulterior deliberação. E por se tratar de processo em segredo de justiça os nomes do acusado e da vítima não foram divulgados.

Portal Wscom